A Quinta

A Quinta do Cerrado da Porta foi adquirida pelos seus atuais proprietários em 1996. Era uma propriedade de cerca de 3 hectares com uma casa rural do século XVIII em muito mau estado de conservação. As obras de recuperação foram feitas em 3 fases e demoraram ao todo cerca de 5 anos. Mas terminada a primeira fase de recuperação do edifício principal, em 1999, os proprietários abandonaram Lisboa, onde viviam, e foram residir na Quinta, com os seus dois filhos adolescentes. Ambos médicos, continuaram a deslocar-se diariamente para a capital, para a sua atividade profissional. Os filhos entretanto casaram e foram morar em Lisboa. Agora são os netos que passam os fins de semana na Quinta.

A exploração vitícola

Inicialmente, dos 3 hectares de terra que rodeavam a Quinta, cerca de um hectare era ocupado por vinha. Em 2011, com a criação da empresa agrícola "Cerrado da Porta Lda", foram adquiridos e arrendados outros terrenos, tendo a Quinta ficado com uma área de exploração de 17 hectares, dos quais 14 são ocupados por vinha, a maior parte plantada em 2012 e 2013. As variedades escolhidas foram 3 castas de uvas brancas (Chardonnay, Arinto e Moscatel Graúdo) e 5 castas de uvas tintas (Pinot Noir, Touriga Nacional, Syrah, Merlot e Castelão). Acreditou-se serem essas as castas mais adequadas às condições de um terroir muito especial, com solos argilo-calcários, orografia muito acidentado e um clima sujeito a noites frescas, manhãs enevoadas e à ação dos ventos atlânticos.

A produção de vinhos

Durante vários anos as uvas produzidas na Quinta eram cedidas a viticultores vizinhos ou entregues na Adega Cooperativa de Dois Portos. Em 2011, quando o objetivo passou a ser a produção e comercialização de vinhos de marca própria, começou a construir-se a adega. Em 2012, com uvas comprados a viticultores da região, a Quinta começou a produzir os seus primeiros vinhos. Com a vindima de 2015 entrou-se na desejada fase de produção exclusivamente com uvas próprias, vinificadas na adega da Quinta, pequena mas tecnologicamente muito avançada. Essa primeira vindima de recolheu cerca de 50 toneladas de uvas, que produziram cerca de 40.000 litros de vinho. Passou então a ser possível apresentar os primeiros "vinhos de quinta", com pleno controlo da sua viticultura e vinificação. Agora, em média, colhem-se cerca de 100 toneladas de uvas, vendendo-se uma parte a grandes produtores da região e reservando-se as uvas de talhões selecionados para vinificação própria. Assim são comercializadas 4 marcas: Troviscal é a gama de entrada dos vinhos da Quinta, mas que nos grandes anos inclui o Troviscal Grande Reserva, reservado para os seus topos-de-gama; a marca Peripécia, destinada exclusivamente a vinhos varietais de prestigiadas castas francesas; a marca Capicua, que oferece vinhos de sobremesa, licorosos e colheitas tardia, destinados a um mercado muito exclusivo. Finalmente, a marca Quinta do Cerrado da Porta, que depois de ter abrigado os vinhos tranquilos topos-de-gama, é atualmente exclusivamente destinada a Vinhos Espumantes de Qualidade.

© 2016-2020  Cerrado da Porta, Lda
E-mail: geral@cerado-da-porta.pt   Telefone: 967007272
  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Twitter
  • Pinterest

Chegadas das cubas